segunda-feira, maio 02, 2016

ADAIL CARNEIRO PROJETA PP NAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS E FALA DAS CRÍTICAS DE ZEZINHO ALBUQUERQUE

O deputado federal Adail Carneiro afirmou, ao Ceará News 7, nesta segunda-feira (2), que recebeu "com muita tranquilidade" a Nota Oficial da bancada de deputados estaduais e correligionários do PP em solidariedade ao ex-presidente estadual da sigla Padre Zé Linhares, destituído do cargo após a votação do impeachment na Câmara dos Deputados.
Após a votação, o presidente nacional do PP, Ciro Nogueira, realizou uma intervenção partidária e destituiu o diretório cearense vigente, que deveria ser mantido até 9 de maio. Ciro, então, nomeou Adail para presidir a comissão instalada para administrar o PP Ceará.
"Eu quero dizer que esse comando veio para as minhas mãos de forma surpresa. Quando foi por volta de 11h da segunda-feira, dia 18 de abril, eu recebi um telefonema de um dos advogados do partido colocando-se pra mim: Deputado Adail Carneiro, o presidente da executiva Nacional, Ciro Nogueira, sentiu-se bastante honrado com a sua posição de ter acompanhando a questão fechada do PP com relação à votação de ontem pela instalação do processo de impeachment, ele quer que o senhor passe a presidir, através de uma comissão provisória, o diretório do estado do ceará. E aí eu não pude recusar".
Lideranças do PP no Ceará passaram a fazer oposição a Adail e querem, inclusive, entrar com ação para restituir o antigo diretório. Adail defende que não teve oportunidade de dialogar com os opositores.

ZEZINHO ALBUQUERQUE
Adail ainda pediu a abertura de diálogo tanto dentro quanto fora do partido. "Estaremos convidando todos os presidentes, quer seja de diretórios ou de comissões provisórias, a buscar um entendimento conosco". O PP no Ceará, sob o antigo comando, estava ligado ao grupo politico do ex-governador Cid Gomes (PDT), o que inclui o governador Camilo Santana (PT), o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), e o presidente da Assembleia Legislativa, Zezinho Albuquerque.
Cid liderou, no Ceará, as negociações com os deputados federais pelo voto contrário ao impeachment de Dilma. Adail votou com a bancada do PP, votou a favor. Por isso, a ala ligada ao ex-governador faz oposição ao deputado federal. Recentemente, o deputado estadual Fernando Hugo e Zezinho Albuquerque criticaram Adail na Assembleia Legislativa.
Adail afirmou que Zezinho não tem conhecimento sobre como se deu o processo que levou Adail à presidência estadual do PP, mas admitiu ter ficado "preocupado em querer saber se eles querem a unidade do partido ou se eles querem desagregar o partido que eles mesmos acabaram de montar". Zezinho está à frente das articulações políticas de Cid no interior do Estado e conseguiu que alguns políticos, incluindo prefeitos, migrassem para o PP. Agora, com o PP sob o comando de Adail, o grupo político de Cid teme que a aliança com o partido tenha se rompido.
"Estou aberto a conversação com o Prefeito de Fortaleza, com o Governo do Estado. mas gostaria muito de que ao buscarem a oportunidade de conversar comigo, busquem desarmados. Porque eu quero o entendimento, eu quero o crescimento do partido. Eu quero uma convivência pacífica e respeitosa. Eu jamais faltei com respeito a qualquer autoridade política", reforça Adail.

ELEIÇÕES  2016
Recentemente alçado à presidência do PP, Adail destaca que está aberto ao diálogo com outros políticos, porém irá posicionar-se como líder de um partido, e não como um "político sem perspectiva". "Eu, como representando legal e legítimo de um partido no Estado do Ceará, certamente não ficarei de fora das conjecturas políticas tanto em nível de município, neste ano de 2016, quanto nas demais campanhas políticas".

Sobral - PRESIDENTE DO PMDB RESPONDE AOS DUROS ATAQUES DE CID GOMES

O ex-governador Cid Gomes, acuado politicamente pela conjuntura nacional onde percebe que seus históricos desafetos do PMDB estão prestes a chegar ao poder no lugar de sua aliada Dilma Roussef, ao mesmo tempo desconfortado com o agigantamento da oposição de Sobral que se prepara para um histórico e acirrado embate eleitoral, aproveitou sua passagem no último sábado ´pelo Beco do Cotovelo para tecer duros ataques ao líder político Oscar Rodrigues que é pai do Deputado Moses Rodrigues.
Dr. Oscar postou em uma rede social sua defesa. Confira.

domingo, maio 01, 2016

Em Sobral: "CORNO", "LADRÃO" E "PICARETA" - CID INSULTA MORO, JANOT E TEORI

Desesperado com a inclusão de seu nome na lista da propina da empreiteira Odebrecht, o ex-governador Cid Gomes aproveitou a comemoração de sua festa de aniversário neste sábado, no Beco do Cotovelo, em Sobral, para se defender e tentar provar a sua inocência.
Investigado pelo procurador geral da República, Rodrigo Janot, por constar ter recebido R$200 mil de propina da Odebrecht e tendo o codinome de Cid, o Falso, o ex-Governador agrediu a tudo e a todos na ânsia de escapar de um processo nas mãos do juiz Sérgio Moro, já que por não ter mandato não tem foro privilegiado.
"Por isso, por ter a minha consciência tranquila, jamais, vejam bem o que estou dizendo. Eu sou capaz de falar mal do ministro(do Supremo Tribunal Federal responsável pela Operação Lava Jato), Teori Zavascki, eu digo: o Senhor é corno. O Senhor é corno se eu estiver nessa Operação(Lava Jato). O Senhor é corno, corno. É corno. Se eu estiver ele(Teori) é corno. Se eu estiver o Janot é ladrão. Se eu estiver, o Moro é um picareta", atacou Cid os principais encarregados de investigar a corrupção no Brasil num esforço inútil de intimidá-los.
E concluiu: " eu não estou nisso, porque eu sou sério. Não é por favor, e quero terminar meus dias com dignidade e vagabundo nenhum pegar na minha munheca. Nunca fiz fortuna. Se tivesse roubado 0.1% do que passou na minha mão eu teria um patrimônio de R$ 300 milhões."

"Quero entrar para a História" - TEMER MONTA SEU GOVERNO

Prestes a se tornar presidente da República, o peemedebista mal tem tempo para se alimentar e já perdeu 2 quilos e meio. Enfrenta uma maratona diária de reuniões com políticos, conselheiros, antigos aliados e candidatos a novos amigos, todos dispostos a ocupar um lugar de destaque em seu governo. A pauta dessa roda-viva é a montagem do ministério, uma equação complicada diante da quantidade de partidos a atender e dos interesses em jogo. Temer não externa angústia nem entusiasmo ao traçar cenários, ainda tem muitas dúvidas e uma ambição certeira. Diz o vice: "Eu quero entrar para a história". Ele acha que conquistará um lugar no panteão da República se encerrar o ciclo de recessão, viabilizar os investimentos privados e estimular a geração de empregos. É a sua grande aposta. É a sua grande largada.
Advogado constitucionalista que escreve poemas, Temer admite conhecer pouco de economia. Por isso, a raposa política com décadas de experiência na vida pública delegará o comando dessa área a um nome testado e aprovado pelos meios políticos, financeiros e empresariais: Henrique Meirelles, presidente do Banco Central no governo Lula. Esnobado por Dilma, que se recusou a nomeá-lo para chefiar sua equipe econômica, Meirelles assumirá o Ministério da Fazenda no eventual governo Temer com carta branca para escolher o presidente do Banco Central e ressuscitar o PIB. Na semana passada, o vice fez questão de deixar escapar a preferência por Meirelles para avaliar a receptividade ao nome. Considerou positiva a reação do mercado e deu ao futuro subordinado um dever de casa: analisar um documento entregue por Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, a Fiesp. O documento propõe um monumental corte de despesas e a venda de parte das estatais para reforçar o caixa. Temer e Skaf se reuniram no Palácio do Jaburu, no domingo 24. O convidado soou como sinfonia de Bach aos ouvidos do anfitrião.
Skaf disse a Temer que é possível reduzir "a zero" o déficit do governo em 2016, estimado em 96,6 bilhões de reais pelo governo Dilma Rousseff, sem contar os gastos com o pagamento de juros da dívida. Skaf também garantiu a Temer que é possível zerar o déficit mesmo sem ressuscitar a CPMF, o imposto do cheque. O vice encarregou Meirelles de ver quanto pode aproveitar das sugestões da Fiesp. Quer que o futuro ministro feche uma proposta econômica que enterre de vez a CPMF e reduza drasticamente o déficit projetado.
A ideia de Temer é levar a nova meta fiscal ao Congresso no seu primeiro dia como presidente da República. Será seu ato inaugural. Um ato de compromisso com o reequilíbrio das contas públicas e de afago aos contribuintes. "Li o plano e gostei. Zerar o déficit sem recorrer a aumento de impostos me agrada", diz Temer. "Eu preciso mudar a meta fiscal de 2016 até para não começar meu mandato cometendo pedaladas fiscais", acrescenta, referindo-se à acusação que embasou o impeachment contra Dilma.
Fonte: Veja.com

sábado, abril 30, 2016

CIRO ATACA TEMER: " SALAFRÁRIO, GOLPISTA E FDP*!"

Possível candidato às eleições presidenciais de 2018 pelo PDT, Ciro Gomes chamou o vice-presidente Michel Temer (PMDB) de “safado” e “salafrário dos grandes” durante evento na PUC-SP, nesta quinta, 28. Ele participou do debate “Diagnósticos da Crise: Alternativas para o desenvolvimento brasileiro.
“Quem está preocupado com a decência do Brasil durma com um barulho desses, porque o presidente da República que assume em junho é Eduardo Cunha”, disse, em menção à Assembleia-Geral da ONU, encontro que o Brasil tradicionalmente inaugura desde 1948.
Com uma suposta ida de Temer aos EUA para participar do evento, segundo Ciro, o posto seria interinamente ocupado por Cunha. “E Michel Temer, em sua vaidade de safado, não vai deixar... vocês não deviam rir, não, isso é um salafrário dos grandes. Conspirador filho da puta”, afirmou, arrancando aplausos.
“Me desculpem. Meu pessoal diz que eu tenho que ser ‘more presidential’. E no Brasil o povo detesta que seu presidente seja como o povo é”, completou. Ao longo do debate, Ciro Gomes disse também que, se a presidente Dilma Rousseff de fato perder o mandato, a crise econômica tende a piorar, “e na direção do povo mais pobre do Brasil”. “Quem está preocupado com a crise econômica aperte os cintos que a coisa vai piorar, e não é pouco não”. (Folhapress)

Sucessão em Fortaleza: ALIANÇA ENTRE CAPITÃO WAGNER (PR) E O PSDB DE TASSO JÁ TEM DATA MARCADA

Anúncio oficial da aliança entre o pré-candidato do PR, o deputado estadual Capitão Wagner, e o PSDB para disputar Prefeitura de Fortaleza será feito em maio, mais especificamente no dia 9 ou 16. Data ainda não estaria confirmada porque dependeria da agenda do senador Tasso Jereissati (PSDB), que deverá estar presente. A informação é do próprio Wagner e do presidente municipal do PSDB, Fernando Façanha.
A conversa entre o PR e o PSDB já acontecia pelo menos desde março deste ano e, embora nos bastidores acordo já fosse dado como certo, ainda não havia sido oficializado. Quem mais ponderava em anunciar a aliança, segundo reportagem publicada no jornal O POVO na última semana, eram os tucanos.
Possibilidade de o PMDB assumir Governo Federal, mesmo que temporariamente, com o afastamento de Dilma Rousseff (PT), seria um dos principais motivos, pois a sigla se fortaleceria para concorrer o pleito de 2016 e poderia oferecer melhores condições  de formação de chapa para o PSDB. Por causa dessa indefinição, tendência é que data da confirmação aconteça, então, somente no dia 16, quando o Senado já terá votado pela abertura ou não do impeachment.

O presidente da sigla no Ceará, Luiz Pontes, em entrevista ao O POVO, chegou a admitir possibilidade de desfazer apoio com Wagner, dizendo que "a noiva sempre pode abandonar o noivo no altar". Nesta quinta-feira, no entanto, Capitão Wagner garantiu que isso não iria acontecer. "A noiva não vai me abandonar no altar", disse, informando a data do casamento.
Façanha confirmou os dias, mas preferiu ainda não dar certeza da aliança. Segundo ele, há "99% de chance", mas ainda faltariam "acertos finais" a serem feitos. A pendência seria uma carta de princípios que o PSDB quer entregar para que o deputado assine. 
Alguns dos pontos do documento, que seria firmado em cartório, são, de acordo com o presidente, o "não fisiologismo na escolha de cargos" e a "intolerância zero à corrupção". Os princípios vão na linha do que a legenda exigiu ao PMDB nacional para firmar apoio ao governo de Michel Temer (PMDB).
Fonte: O Povo

sexta-feira, abril 29, 2016

VEREADORES DE NOVA RUSSAS E CAMOCIM SE REÚNEM COM DEPUTADO MOSES RODRIGUES E PEDEM APOIO NO COMBATE À DENGUE

Na manhã desta quinta-feira (28) o deputado federal Moses Rodrigues (PMDB-CE) recebeu em seu gabinete em Brasília, as vereadoras Katia Santos (PMDB) e Rejane Tavares (Solidariedade), do município de Nova Russas, e a vereadora Lúcia Freiras (PDT), de Camocim, para discutir o desenvolvimento regional de nosso Estado.
Durante a reunião, as parlamentares cearenses ainda solicitaram apoio nas ações de combate à Dengue no Ceará. Segundo a vereadora Katia Santos, o Estado está diante de uma epidemia de dengue. “Nós agendamos com o deputado Moses para solicitar empenho em ações imediatas de combate à doença no Ceará. O Estado enfrenta um momento crítico e essa realidade não é diferente em nosso município”, destacou a vereadora de Nova Russas.

quarta-feira, abril 27, 2016

Crise Política: "QUEREM CHEGAR, SENTAR NA MINHA CADEIRA, MAS SEM VOTO", DIZ DILMA SOBRE TEMER

A presidente Dilma Rousseff voltou a dizer esta terça-feira, 26, que o processo de impeachment é uma tentativa de fazer uma eleição indireta por quem quer chegar ao Poder sem votos.
“O poder vem do voto popular direto. Esse impeachment, que é golpe, na verdade é uma tentativa de fazer uma eleição indireta por aqueles que não têm voto. Se eles querem chegar ao Poder e não tem crime (de responsabilidade), só tem um caminho: disputem eleições. Eles querem chegar, sentar na minha cadeira, mas sem voto. Esse é o problema. É claro que isso é muito confortável: você não tem que prestar conta para o povo brasileiro”, disse Dilma.
Ela não mencionou diretamente o vice-presidente Michel Temer (PMDB), a quem, em ocasiões anteriores, disse que está liderando o processo contra ela. 
Dilma acrescentou que o processo de impeachment é um “golpe” contra as conquistas sociais dos últimos 13 anos. “É um golpe contra o Bolsa Família, contra o Minha Casa, Minha Vida, as interiorizações de universidades, contra o Pronatec”. A presidenta deu as declarações durante a cerimônia de entrega de unidades habitacionais do Programa Minha Casa, Minha Vida, em Salvador.
Ainda sem citar diretamente o vice-presidente, Dilma destacou que um eventual programa de Temer para a área social “começa com algo muito grave” ao dizer que vai “revisitar” os programas sociais. “Revisitar é diminuir a quantidade de dinheiro que o governo federal coloca nos programas sociais. Querem desvincular a obrigação do governo em gastar em educação e saúde”.
Dilma atacou o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que aceitou a denúncia que deu origem ao processo de impeachment e teve seu prosseguimento aprovado pelos deputados federais no último dia 17.

“Não tem uma acusação de que eu peguei dinheiro para mim. Muitas das ações das quais me acusam sequer eu participei. Como não acharam nenhum outro motivo, como aqueles que me acusam praticaram, como os crimes que praticaram, como crime de corrupção. Do que eles são acusados, eles vão ter que responder. Agora, eles têm acusação. Eu não tenho acusação. O mais estranho é que quem me julga, é corrupto. Essa pessoa, que é o presidente da Câmara, é uma pessoa que todo mundo sabe no Brasil que tem conta no exterior, é acusado pela Procuradoria-Geral da República”, afirmou.

Processo no Senado
O senador Raimundo Lira (PMDB-PB) foi eleito hoje presidente da Comissão Especial do Impeachment no Senado e o senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) ficou com a relatoria do processo.
Com esta primeira sessão de trabalho, começa a contar o prazo para que a comissão conclua e vote, por maioria simples, um parecer indicando ou não a continuidade do processo. Este mesmo texto, independentemente do resultado no colegiado, será submetido ao plenário do Senado, onde precisa da mesma maioria simples entre os 81 senadores da Casa. Se a admissibilidade do processo for aprovada em plenário, Dilma é imediatamente afastada do cargo por 180 dias.

Temer
O vice-presidente da República, Michel Temer, teve ontem (25) mais um dia de reuniões com aliados, conversas com integrantes do PMDB e de outros partidos ou recebendo sugestões para a formação de um eventual governo, caso a presidenta Dilma Rousseff seja afastada pelo Senado em maio e ele assuma a Presidência, como consequência do processo de impeachment.
"Terei de ser repetitivo. Vou esperar o Senado Federal", disse aos jornalistas, fazendo referência a duas ocasiões na semana passada, quando disse que aguardará “silenciosa e respeitosamente” a análise dos senadores sobre a admissibilidade do processo de impeachment de Dilma.
O vice-presidente voltou a conceder entrevista à imprensa estrangeira para rebater a tese de que o processo de impeachment é um golpe. "O processo de impeachment é legal e constitucional. A visão no exterior atualmente é de que o Brasil é uma pequena República, que é capaz de um golpe. Por isso, eu digo que não há golpe, nem tentativa de violar a Constituição. Sessenta e dois por cento da população brasileira são favoráveis ao impeachment. Então, que conspiração eu estou liderando? Eu tenho poder para convencer 367 deputados e mais da metade da população brasileira? Acho que é mais um equívoco", afirmou ao canal de TV norte-americano CNN.
Agência Brasil

FERNANDO HUGO PEDE APOIO A CAMILO SANTANA NO COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

O deputado estadual Fernando Hugo (SD) pediu, na segunda-feira (25), através do Facebook, apoio ao governador Camilo Santana (PT) no combate ao crime organizado no Ceará.
No último fim de semana, Camilo finalmente resolveu assumir a presença do PCC e do Comando Vermelho no Estado. O petista afirmou que não irá ceder às ameaças das facções.

Confira a postagem do deputado:
"Certamente a posição firme e destemida do Governador Camilo Santana em não retroceder um milímetro nas medidas tomadas sobre o enfrentamento aos grupamentos criminosos PCC, CV etc., precisa ter integralmente o apoio de nossa sociedade, denunciando e até estimulando ações mais fortes por parte de nossas polícias, evitando assim que o crime organizado deixe normas e leis da bandidagem em nossas sociedade.

Sempre fui defensor criterioso, cristão e cidadão de ações fortes por parte de nossas estruturas de segurança pública sem, contudo, cometer-se extravagâncias que exorbitem a paz social desejada por todos, porém sem nossos policiais acovardarem-se com medo, não dos bandidos, mas dos celerados, antissociais e exacerbados defensores dos direitos humanos". (às 14h21)
Fonte:Cearanews7.com

ANASTASIA É ELEITO RELATOR DA COMISSÃO DO IMPEACHMENT NO SENADO

Com cinco votos contrários, a comissão especial do impeachment no Senado confirmou nesta terça-feira o nome do tucano Antonio Anastasia (PSDB-MG) como relator do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Ele será responsável por elaborar um parecer sobre a admissibilidade do pedido que pode levar a petista a deixar precocemente o Palácio do Planalto. A expectativa é que o texto seja apreciado até o dia 6 de maio para que o Plenário da Casa vote na sequência a admissibilidade e o possível afastamento da petista por até 180 dias.
A escolha de Anastasia foi alvo de protestos do PT e do PCdoB, que alegam que o tucano não poderia relatar o pedido de impeachment na comissão especial porque o advogado do PSDB Flávio Pereira seria subescritor da ação de impedimento da presidente. O PSDB contestou a versão apresentada pelos governistas e afirmou que Pereira figura apenas como advogado dos três autores do pedido - Miguel Reale Jr., Janaína Paschoal e Hélio Bicudo. Governistas tentaram lançar nomes como o do socialista Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) para a relatoria, mas o próprio virtual candidato apoiou a indicação de Anastasia.
"É mais uma tentativa de, já no início da sessão, criar obstáculo e impedir o avançar da investigação com esse tipo de chicana", afirmou o líder do PSDB no Senado Cássio Cunha Lima (PSDB-PB). "É impróprio que uma comissão que tem a responsabilidade que esta tem [aceite como relator] um senador que é parte de uma bancada que está diretamente vinculada ao pedido de impeachment", protestou o líder do governo Humberto Costa (PT-PE). Ao analisar o pedido de governistas para barrar a indicação de Anastasia, o presidente da comissão Raimundo Lira (PMDB-PB) disse que o tucano deve ser mantido no posto porque o PSDB em si não é autor do pedido de impeachment contra Dilma. As discussões sobre a confirmação ou não de Antonio Anastasia como relator duraram cerca de duas horas e meia.
A sessão de instalação da comissão especial do impeachment é crucial porque marca o início da contagem de prazo para o julgamento do eventual afastamento da presidente Dilma. A sessão tem até dez dias para elaborar e julgar um parecer sobre a admissibilidade do pedido de impeachment levando em conta os dois pontos que embasam a acusação contra Dilma por crime de responsabilidade: a prática de pedaladas fiscais no Plano Safra e a liberação de crédito suplementar sem aval do Congresso. O presidente do colegiado trabalha com a hipótese de o veredicto da comissão ser votado no dia 6 de maio. Com isso, independentemente do mérito do parecer, o caso será levado ao Plenário, a quem cabe, se confirmada a admissibilidade, determinar o afastamento da presidente Dilma por até 180 dias. A votação da admissibilidade do impeachment em Plenário deve ocorrer no dia 11 de maio. Para o afastamento ser consolidado, é necessária que haja maioria simples de votos (metade mais um dos presentes no dia da votação).
Com Dilma afastada, assume o governo temporariamente o vice-presidente Michel Temer (PMDB). Enquanto o peemedebista comanda um governo por ora provisório, a comissão especial se reúne novamente para a coleta de novas provas, sendo possível ouvir testemunhas e anexar, por exemplo, as demolidoras delações premiadas da Operação Lava Jato.
Nesta nova fase, a lei nº 1079, de 1950, prevê que a presidente Dilma apresente nova defesa por escrito e o parecer é mais uma vez votado. Neste caso, o documento que já reúne provas além das que embasam o pedido original de impeachment é conhecido como juízo de pronúncia e é a partir dele que se marca a data do julgamento do impeachment propriamente dito. Agendada a data do julgamento do impeachment, para a consolidação do processo são necessários dois terços dos votos do plenário do Senado (54 votos).
Fonte:Veja.com

terça-feira, abril 26, 2016

EUNÍCIO APRESENTA PROJETO PARA PROIBIR LIMITAÇÃO DO ACESSO A INTERNET

Mesmo com a determinação do Conselho Diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) em proibir, por tempo indeterminado, o limite de acesso à internet banda larga fixa, o líder do PMDB, senador Eunício Oliveira (CE) deu entrada em projeto de lei para assegurar a navegação ilimitada. Segundo ele, a medida é fundamental para impedir que a mudança da regra seja feita pela Anatel em ocasião futura.
De acordo com o texto apresentado pelo parlamentar, ficará assegurado aos usuários da internet o direito à não limitação no volume de dados das conexões fixas e a lei entraria em vigor após 45 dias após a data da sua publicação. A garantia na Constituição passaria a proibir qualquer mudança nas regras pela Anatel e operadoras que prestam esse tipo de serviço.
Eunício justifica a apresentação do projeto com base nas últimas movimentações dos provedores de conexão à internet em banda larga no sentido de estabelecer limites ao volume de dados disponibilizados para as conexões fixas, o que para ele, acarretará grandes prejuízos para o consumidor. “Essa alteração certamente prejudicará os consumidores, que terão que pagar valores ainda mais elevados para poderem usufruir de acesso ininterrupto à internet”, argumentou.
A medida, como colocou Eunício no projeto, vem para impedir os abusos dessas operadoras. “No atual momento, quando se verifica uma atuação coordenada desses grandes grupos tentando aumentar seus lucros por meio de cobranças adicionais indevidas aos consumidores, é necessária uma resposta rápida do Congresso”, disse.
Na semana passada, a polêmica sobre o tema tomou grandes proporções após o presidente da Anatel, João Rezende, afirmar que havia chegado ao fim a era da internet ilimitada e se posicionar a favor das operadoras, ao definir um prazo de 90 dias para que as novas regras impondo limites ao acesso fossem executadas pelas empresas.

DEPUTADO MOSES RODRIGUES CUMPRE AGENDA NA REGIÃO NORTE

IMG_3372
Com o feriado do dia 21 de abril, o final de semana do deputado federal Moses Rodrigues (PMDB) começou na quinta-feira (21) e foi dedicado a compromissos como visitas à correligionários e reuniões com lideranças comunitárias.
No dia de Tiradentes o parlamentar esteve na Vila Pajé, onde participou de um almoço ao lado de lideranças e apoiadores. Na ocasião a situação de acesso aos serviços de saúde foi colocada como a principal demanda da população.
Já na sexta-feira (22) a agenda de compromisso passou por Groaíras. Pela manhã o deputado Moses Rodrigues visitou a fazenda Paraíso, onde se reuniu com a população e escutar queixas em relação a violência e insegurança que toma conta da região.
Dando continuidade as visitas programas pela região norte do Estado, o sábado (23) foi dedicado a novas visitas e a participação na festa de aniversário do presidente da Câmara de Vereadores de Sobral, José Crisóstomo Barroso Ibiapina, o Zezão. Pela manhã Moses Rodrigues esteve na localidade de Caraúbas, em Aracatiaçu. Após a agenda o parlamentar seguiu para o aniversário do presidente da Câmara Municipal, Vereador Zezão.
Por fim, mostrando disposição para os compromissos, no domingo (24) Moses Rodrigues prestigiou o campeonato de ciclismo promovido pelo grupo Lagartos Selvagens, em Aracatiaçu.
IMG_3133
IMG_3759
Fonte: Assessoria de Comunicação do Deputado Moses Rodrigues.

PROFESSORES DA REDE ESTADUAL ENTRAM EM GREVE

Professores da rede pública estadual do Ceará iniciaram nesta segunda-feira (25), a greve da categoria por tempo indeterminado.
A decisão pela greve geral ocorreu na última quarta-feira (20), após uma reunião entre a classe trabalhadora e o Sindicato dos Professores e Servidores da Educação e Cultura do Ceará (Apeoc).
A categoria reclama que a data-base da categoria, de 1º de janeiro, não foi respeitada e reivindica reajuste de 12,67%, entre outros itens. O Governo do Estado prevê para junho uma posição sobre remuneração dos profissionais do magistério.

Servidores estaduais
Os servidores estaduais de outras áreas também estudam entrar em greve. Ele pedem R$ 12,67% de reajuste, com o objetivo de repor a inflação do ano passado, de 10,67%, e agregar mais 2% para minimizar parte das perdas salariais acumuladas, já que o poder aquisitivo do funcionalismo público caiu 57% de 1999 a 2015. Algumas categorias já sinalizaram como única alternativa, prova disso que os servidores do Detran decretaram  estado de greve na última segunda-feira (18).

Em paralelo às reivindicações, o Fórum Unificado das Associações e Sindicatos dos Servidores Públicos Estaduais do Ceará (Fuaspec) apresentou estudo técnico onde demonstra que é possível ampliar a arrecadação do Estado sem aumentar impostos. Caso adotasse as medidas apontadas pelo Fórum, o Governo teria condições de implementar o reajuste e ainda ficar abaixo do limite prudencial definido na Lei de Responsabilidade Fiscal. Soma-se a isto a situação favorável do Ceará, que teve a melhor avaliação fiscal do Nordeste e foi o 3º Estado que mais investiu no Brasil em 2015 (R$ 2,4 bilhões).
Fonte: CNEWS